Recursos de
Acessibilidade:  
Tecle Alt+1 : ir ao conteúdo Tecle Alt+2 : ir ao mapa do site Texto menor Texto maior Contraste                 
 
 
 
 
Panorama, 20 de janeiro de 2018 | COMO CHEGAR ATÉ NÓS ATRAVES DE SUA LOCALIZAÇÃO:
O TURISMO EM PANORAMA

Panorama tem relação intrínseca com o meio ambiente pela ligação com o rio Paraná. Desde a fundação do município este ambiente impulsionou a economia local. Dentre as atividades econômicas do município que foram marcadas pela presença do rio, pode-se mencionar a instalação de olarias, pecuária e a pesca, recentemente Panorama vem se destacando na prática do turismo e tem como principal atrativo a paisagem do Rio Paraná. Outros atrativos turísticos do município são a pesca esportiva e eventos que são realizados anualmente como o Pan Verão, carnaval e a Travessia do Rio Paraná. Para que Panorama se tornasse um atrativo para a prática do turismo, houve investimentos dos setores privado e público, principalmente na infra-estrutura e equipamentos relacionados ao turismo, dando novas características a economia do município e (re)configurando o território . Atualmente o turismo destaca-se pelo seu potencial socioeconômico e por sua capacidade de produzir e transformar os espaços, tornando-os mercadoria, sendo a nova engrenagem de acumulação do capital. A atividade turística se caracteriza pela sua dinâmica de absorver investimentos, da esfera pública e privada, que produz novas configurações atingindo o espaço e a sociedade. Nenhuma outra atividade consome elementarmente, espaço, como faz o turismo e esse é um fator importante da diferenciação entre o turismo e outras atividades produtivas. È pelo processo de consumo dos espaços pelo turismo que se gestam os territórios turísticos. (CRUZ, 2000,p.17). Atualmente, devido ao destaque da atividade turística em Panorama, o município vem passando por várias transformações que atinge seu processo produtivo resultando em uma produção e (re) produção do território. A economia de Panorama esteve, por muito tempo, atrelada à pecuária e à produção de tijolos e telhas. Nos anos 1980, as atividades ceramistas se expandiram consideravelmente no município, devido à grande quantidade de argila existente as margens do rio Paraná; essa era a atividade que mais empregava a população local. Na atualidade o setor cerâmico vem perdendo importância econômica, em contrapartida, o turismo se destaca como possibilidade de desenvolvimento econômico e social do município. Para o desenvolvimento da atividade turística, o município necessita de atrativos como, infra-estrutura e equipamentos turísticos, na definição de Boullón (2002, p.54) "O equipamento inclui todos os estabelecimentos administrados pelo poder público ou pela iniciativa privada que se dedicam a prestar serviços básicos". Neste ponto de vista, a atividade turística dever ser planejada, e contar com políticas que controle e direcionamento, proporcionando o desenvolvimento local, e a participação de toda a sociedade neste processo. O modo como se dá a apropriação de uma determinada parte do espaço geográfico pelo turismo depende da política pública de turismo que se leva a cabo no lugar. À política pública de turismo cabe o estabelecimento de metas e diretrizes que orientem o desenvolvimento socioespacial da atividade, tanto no que tange à esfera pública como no que se refere á iniciativa privada. Na ausência da política pública, o turismo se dá à revelia, ou seja, ao sabor de iniciativas e interesses particulares. (CRUZ,2002,p.09). O município de Panorama está vivendo um período de grandes modificações tanto no âmbito socioeconômico e ambiental a partir da construção da usina hidrelétrica Sérgio Motta no município de Rosana-SP, que transformou o rio Paraná em um grande lago artificial, consequentemente interferindo em bens patrimoniais públicos e privados, no sistema viário, na distribuição de energia elétrica, saneamento, lazer e principalmente no meio ambiente. Frente ao conjunto de impactos negativos causados no contexto regional pela implantação de dos projetos hidroenergéticos, a CESP e toda empresa, enquanto empreendedora torna-se obrigada a minimizar e mitigar ao máximo esses efeitos, perante o ambiente e a sociedade. (DIAS, 2003, p.242). Devido à formação do lago artificial, como obra mitigadora, a Companhia Energética de São Paulo (CESP), construiu o Balneário Municipal "Frederico Platzeck", que se tornou um dos principais atrativos turístico de Panorama, o Balneário conta com uma praia artificial, de 18.000,00 m² com capacidade para 1.300 banhistas. Segundo a Secretaria de Turismo do Município, a CESP realizou outras obras que deram novas características ao turismo em escala local e regional, trazendo alguns benefícios em detrimento dos impactos ambientais causados. Como menciona DIAS, 2003: Por outro lado, a implantação desse tipo de UHEs, possibilita o aparecimento da exploração de outras atividades, ou como se chama uso múltiplo das potencialidades criadas, como a navegação, irrigação, turismo etc. (DIAS,2003,p.248). Entre as modificações que poderá produzir novas características ao território e para o turismo em Panorama, está a da construção da Ponte Governador Mário Covas, que se localiza em Paulicéia-SP a 2 km de Panorama, a qual faz a ligação entre os estados de Mato Grosso do Sul e São Paulo. Esta Ponte já proporciona aumento do fluxo nesta região, incorporando novas dinâmicas entre os estados, além de se tornar um atrativo ao turismo. Diante das transformações ocorridas em Panorama-SP, principalmente nos segmentos socioeconômicos e ambientais, que foram motivados pela construção da UHE. Sergio Motta e a formação do lago artificial, mostram-se a importância de estudos cientifico - acadêmico nesta área, para a compreensão da produção do território e a realidade deste, em seus diversos âmbitos, para um melhor planejamento e gestão territorial. Dentre os investimentos realizados pelo setor público, estão às obras em infra-estruturas, fundamentais para estabelecer a atividade turística no município, obras que foram realizadas pela Companhia Energética de São Paulo (CESP), como medidas compensatórias e mitigatórias pelos impactos causados na construção da UHE. Sergio Motta e formação do logo artificial. Analise do planejamento e políticas direcionadas ao turismo em vários âmbitos. Para a realização da interpretação da produção do território turístico em Panorama-SP, a partir da implantação da usina hidrelétrica Sergio Motta, foram realizadas, revisão bibliográfica específica, para compreender os conceitos e temas que estarão presentes na discussão deste projeto, busca histórico-documental e registros fotográficos, do município de Panorama-SP, que foram necessário para compreender as transformações dos distintos momentos do município, enfatizando a atividade turística, a partir da construção da usina hidrelétrica Sergio Motta. Visitas in-loco e entrevistas junto à secretaria municipal de turismo e autoridades locais, dando ênfase ao planejamento e inserção das atividades turísticas no município e a repercussão destas em âmbito regional, e aplicação de questionários aos visitantes







melhor utilizado Firefox - Chrome - Ie9 ou superior
















Galeria Multimídia
Galerias
2018 © Todos os direitos reservados